Acompanhando o Mercado

Como Revitalizar o Mercado

João Carlos Lopes dos Santos



Volta e meia, há quem me peça soluções para revitalizar o mercado de arte. Apresento ideias. É o máximo que posso fazer, posto que fique claro que não tenha varinha de condão nem, tampouco, fórmulas mágicas.

Acredito mais nas ideias simples, pois tenho medo das complexas, já que a vida me ensinou que, se a solução não for simples, decerto, ela criará novos problemas.

Como um clichê, ao responder essas questões, lembro que não se pode esperar muito de um mercado que anda não dispõe de formação específica para os profissionais que nele operam.


Formação profissional do marchand

Além de não termos cursos de formação de marchands, não há em nenhuma escola ou curso livre de belas-artes a cadeira ‘mercado de arte’. Também não dispomos de uma associação que congregue os marchands, em âmbito, municipal, estadual ou nacional.

Mesmo assim, sabe-se lá como, temos um mercado de arte que, volta e meia, dá sinais de fantástica vitalidade, mesmo com os sucessivos governos não ajudando muito. Não estou falando de incentivos fiscais ou de qualquer outra tutela governamental, pois sou contra esse tipo ajuda – digo isso no capítulo 19 do Manual do Mercado de Arte –, gostaria apenas que os governos não nos atrapalhassem e nos dessem a tranquilidade de uma economia sadia em todos os sentidos. A rigor, a saúde de qualquer mercado só depende disso.


A união faz a força

Mas será que é só isso? Decerto que não é. Antes da falta de formação, de informação e de terreno fértil – fatores que, de uma forma ou outra, temos contornado –, o que fundamentalmente nos falta, de uns anos para cá, é a UNIÃO do mercado de arte em todos os seus segmentos e, também, como um todo.

Antes, era comum, nos finais de semana, a reunião dos artistas em churrascos e feijoadas, quando desenvolviam seus trabalhos e se confraternizavam. Assim, os artistas trocavam ideias, experiências, informações, criavam grupos, núcleos, cooperativas, associações, etc. Hoje, o artista plástico vive isolado em seu ateliê.

Da mesma forma, até o final dos anos 1980, os marchands se reuniam em bares e restaurantes, após os leilões de arte, ou nos finais de tardes, em diversas galerias de arte. Frequentemente, os do Rio de Janeiro formavam grupos e viajavam para São Paulo e os de São Paulo vinham em caravana para o Rio de Janeiro.

Na década de 1980, os mercados do Rio e de São Paulo eram uma coisa só. Trocava-se tudo: ideias, experiências, informações e obras de arte. Os decanos transmitiam conceitos aos novatos. Não havia escola, mas se passava conhecimentos por tradição; agora, nem uma coisa nem outra, ficamos na base do cada um por si e Deus por todos.

As galerias de arte, mensalmente, organizavam mostras e outros eventos. Plantavam para colher, hoje, tratam o mercado como uma indústria extrativa.

Desculpem-me, mas não tem outro jeito, tenho que terminar com uma expressão surrada, que no mercado de arte quase ninguém conhece: a união faz a força...

 

Telefones e outras informações - clique aqui

VOLTAR

Outros Artigos:

Ninguém é profeta em sua terra

Releitura, plágio e falsificação

Metais Aveludados

Sem jogo de cintura...

Por que os honorários periciais são considerados elevados?

A filosofia das minhas fases periciais

Como consolidar sua carreira no mercado de arte.

Como se pode perceber que uma pintura é falsa?

Em síntese, o que a legislação autoral visa proteger.

Por que as obras de arte estrangeiras antigas são tidas como atribuídas?

O tempo de maturação de um laudo pericial

Arte contemporânea: afinal, o que é isso?

O mercado de arte em tempos de conflito

Primeiros passos no mercado de arte

Aos artistas plásticos iniciantes

Curso para Marchands

Onde posso registrar uma obra artística de minha autoria?

E o dia do Artista Plástico?

O que fazer para evitar falsificações

Investir em arte - quanto, quando e como

O que é uma telenovela?

O mural ‘Guerra e Paz’ está de volta.

Por que sou contra o 'Direito de Sequência'

Perícia judicial sobre obras de arte

Como vai o Mercado de Arte?

O que Ú prešo de mercado ?

Como revitalizar o mercado?

A liquidez das obras de arte

O mercado de arte realmente existe no Brasil?

O perfeito relacionamento com o mercado

Reflexões sobre as tabelas dos artistas

Curso para formação de marchands

Consolidando o mercado de arte

O que posso fazer pelo mercado de arte?

E o mercado de arte ga˙cho?

Marchand - uma definição simples e objetiva

Convivendo com os leilões de arte

Se todos gostassem do amarelo

Um leilão de arte em Fortaleza

Pode-se realmente investir no mercado de arte?

Preconceito nas artes plásticas

Que obras de arte devo comprar? De que artistas plásticos?

Um programa Legal

No Ar, a Rádio Cotonete

Pré-requisitos para a Profissão de Marchand

O que é consultoria de mercado de arte?

A mediação e arbitragem no mercado de arte

Em quem devo investir?