Acompanhando o Mercado

E o Mercado de Arte Gaúcho?

João Carlos Lopes dos Santos



Tenho um grande apreço pelo povo do Rio Grande do Sul. Fui muito bem recebido sempre que estive lá e, também, pelos gaúchos que vivem no Rio de Janeiro e em outras plagas.

Provavelmente por isso, já que aconteceu naturalmente, o ‘Manual do Mercado de Arte’, de minha autoria e editado pela Júlio Louzada Publicações-SP em 1999, agora com edição esgotada, começa e termina falando do Rio Grande do Sul.

Escrevi este artigo em 2003, o atualizei em 2007 e, mais uma vez, com as informações do meu amigo Roberto Ibarra Silveira, o atualizo em abril de 2011.


No Rio de Janeiro

Os profissionais de mercado gaúchos, decerto, são os mais atuantes do país. É verdade. Eles são encontrados em todos os mercados de arte. Jones Bergamin, Laura Marsiaj, Renato Rosa e Eloísa Bergamin Muccillo, entre outros, estão trabalhando no mercado do Rio de Janeiro. Os irmãos Pedro e Paulo Scherer, cada qual com seu antiquário, são apenas dois exemplos dos diversos gaúchos que emigraram para fortalecer o antiquariato do Rio de Janeiro nas últimas décadas.


Em São Paulo

O meu amigo Roberto Ibarra Silveira, já há alguns anos, vive e trabalha como marchand no mercado de São Paulo. Os gaúchos radicados em São Paulo, à exceção de Roberto Silveira e do leiloeiro da Tableau, Luiz Carlos Moreira, estão todos no ramo de antiguidades. Ao todo, são cerca de dez profissionais.

Nas minhas conversas com Roberto Silveira, soube da memorável sentença do crítico de arte Jacob Klintowitz – gaúcho também, que morou no Rio e vive em São Paulo há muitos anos –, a respeito do êxodo dos artistas gaúchos. Ele disse certa feita: "O Rio Grande do Sul não exporta arte, exporta artistas".

Lembrando o que disse Klintowitz, agora a respeito da emigração dos marchands de lá, diria: o mercado de arte gaúcho é nacional: forma e exporta profissionais para todo o país.


Os artistas plásticos que emigraram

Vejam como Klintowitz tem razão. Tudo começou com os artistas Araújo Porto Alegre e Pedro Weingärtner. Continuou com os saudosos Libindo Ferraz, Leopoldo Gottuzo, Carlos Scliar, Iberê Camargo, Ione Saldanha, Avatar de Morais, Jacintho Moraes, Glauco Pinto de Moraes, Paulo Houayek, Glauco Rodrigues, Sônia Ebling, entre outros.

Chegamos, então, aos artistas em atividade em outros mercados. Regina Silveira e Herton Roitman estão em São Paulo. Carlos Vergara e Júlio Castro estão no Rio de Janeiro. Magliani, que estava também no Rio de Janeiro, voltou à Porto Alegre, segundo soube. Glênio Bianchetti está em Brasília.


Os críticos de arte que emigraram

Os críticos de arte gaúchos também emigraram. Além do Jacob Klintowitz, estão radicados em São Paulo Carlos, Scarinci e Angélica de Moraes. Para o Rio de Janeiro foram Walmir Ayala, Francisco Bittencourt, Gerd Borheim, Jayme Maurício, entre outros.


Os marchands que estão no Sul

São estes os marchands que, hoje, trabalham no mercado dos pampas: Décio Presser, da Arte&Fato, Jorge, Ronaldo, Patrícia e Roberta Karam, todos da Sala de Arte de Porto Alegre, Marisa Soibelmann, da galeria de arte que tem o seu nome, Tina Zappoli, da galeria de arte também com o seu nome, Marga Pasquali e seus 2 filhos na Bolsa de Arte de Porto Alegre, Vera Schneider, da Galeria da Vera, Regina Galbinski Teitelbaum e Renata Galbinski Horowitz, da Gravura Galeria de Arte, Carlos Gallo, da Gestual Galeria, Paulo Raimundo Gasparotto e Elias da Rosa, que organizam leilões em Porto Alegre, entre outros profissionais.

Conforme informação de Roberto Silveira, o atual indicador de espaços culturais indica mais de 100 locais, entre ele, uma galeria de Porto Alegre, inaugurada no final de 2006, com área de mais de 400 m2, na mesma quadra da Sala de Arte, que se chama Casa Arte e tem a direção de Darwin Longoni, um ex-empresário do setor de equipamentos elétricos.

Sou avesso às injustiças. Se você se julga merecedor de constar de quaisquer das listas acima, desculpe a minha falta de informação. Por favor, peço-lhe que me escreva falando da sua atuação no mercado gaúcho e a injustiça será corrigida. Por outro lado, tendo qualquer tipo de sugestão ou crítica, por favor, escreva-me.


Os artistas plásticos

Para nomear aqui os artistas gaúchos em atividade no Rio Grande do Sul, só há um jeito de não se cometer injustiças: basta recomendar uma consulta ao ‘Dicionário de Artes Plásticas do Rio Grande do Sul’ – Editora da Universidade (UFRGS) –, da lavra de Renato Rosa e Décio Presser. Trata-se de um importantíssimo trabalho, um exemplo a ser seguido por todos os mercados de arte.


Bienal do Mercosul

Quando se fala em mercado de arte, obrigatoriamente, temos que aplaudir a Bienal de Artes Visuais do Mercosul.

Para quem não lembra, em meados dos anos 90, um grupo de artistas plásticos, empresários e políticos do Rio Grande do Sul se uniram para lançar as bases da Bienal de Artes Visuais do Mercosul. Surgiu, então, a Fundação de Artes Visuais do Mercosul. Frise-se que se trata de uma fundação de direito privado.

Dessas Bienais, participam Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Paraguai e Uruguai, além de países convidados. A primeira edição foi em 1997 e, em dezembro de 2005, foi realizada a quinta Bienal.

Assim, como se vê, a seu modo, o mercado gaúcho vai muito bem.

 

Telefones e outras informações - clique aqui

VOLTAR

Outros Artigos:

Ninguém é profeta em sua terra

Releitura, plágio e falsificação

Metais Aveludados

Sem jogo de cintura...

Por que os honorários periciais são considerados elevados?

A filosofia das minhas fases periciais

Como consolidar sua carreira no mercado de arte.

Como se pode perceber que uma pintura é falsa?

Em síntese, o que a legislação autoral visa proteger.

Por que as obras de arte estrangeiras antigas são tidas como atribuídas?

O tempo de maturação de um laudo pericial

Arte contemporânea: afinal, o que é isso?

O mercado de arte em tempos de conflito

Primeiros passos no mercado de arte

Aos artistas plásticos iniciantes

Curso para Marchands

Onde posso registrar uma obra artística de minha autoria?

E o dia do Artista Plástico?

O que fazer para evitar falsificações

Investir em arte - quanto, quando e como

O que é uma telenovela?

O mural ‘Guerra e Paz’ está de volta.

Por que sou contra o 'Direito de Sequência'

Perícia judicial sobre obras de arte

Como vai o Mercado de Arte?

O que Ú prešo de mercado ?

Como revitalizar o mercado?

A liquidez das obras de arte

O mercado de arte realmente existe no Brasil?

O perfeito relacionamento com o mercado

Reflexões sobre as tabelas dos artistas

Curso para formação de marchands

Consolidando o mercado de arte

O que posso fazer pelo mercado de arte?

E o mercado de arte ga˙cho?

Marchand - uma definição simples e objetiva

Convivendo com os leilões de arte

Se todos gostassem do amarelo

Um leilão de arte em Fortaleza

Pode-se realmente investir no mercado de arte?

Preconceito nas artes plásticas

Que obras de arte devo comprar? De que artistas plásticos?

Um programa Legal

No Ar, a Rádio Cotonete

Pré-requisitos para a Profissão de Marchand

O que é consultoria de mercado de arte?

A mediação e arbitragem no mercado de arte

Em quem devo investir?