Acompanhando o Mercado

O Mercado de Arte Existe Realmente no Brasil?

João Carlos Lopes dos Santos



Discorrendo sobre o óbvio

Tenho certa dificuldade de responder o óbvio. No Manual do Mercado de Arte, defini assim:

«Mercado de arte é a via processual pela qual transita um segmento de pessoas físicas e jurídicas em torno do objetivo de comercializar obras de arte, que, com base na lei da oferta e da procura, determina os relacionamentos e, principalmente, estabelece preços.»

Tecnicamente, salvo melhor definição, é isso. Dada a evidência do objeto da pergunta, configura-se um axioma - premissa imediatamente evidente que se admite como universalmente verdadeira, sem necessidade de demonstração.

Portanto, não haveria necessidade que fosse perguntado e, por via de consequência, de ser respondido. Porém, para que não aflorem dúvidas nas cabeças dos não iniciados, vou lhes contar duas histórias.


A hora de «arrumar» as paredes

A primeira faz parte de uma listagem de fatos e mais fatos do meu dia-a-dia. Teria muitas histórias parecidas para contar, mas vou destacar esta.

Recém-casados procuram arrumar a casa da melhor maneira que podem e com o dinheiro que têm. Na sua maioria, compram obras de artistas que vendem na rua, em feiras, em leilões realizados em cidades de veraneio.

Essas obras, quase sempre, estão com preços exatamente do tamanho do dinheiro que sobrou do orçamento do mês. Às vezes, custa o que se tem no bolso.


A hora de «trocar» as paredes

Foi assim que aconteceu com um casal amigo, que hoje tem os filhos criados. Há cerca de cinco anos, o casal me procurou para se assessorar na compra de novos quadros. A vida deles tinha mudado. O orçamento doméstico estava folgado e me apresentaram valores limites, o que aqui não interessa comentar. A parede pronta e muito bonita fez surgir um problema: o que fazer com as pinturas compradas na lua de mel? Encurtando a prosa, as recebi como parte do pagamento dos outros que tinha vendido ao casal. Realmente, não havia outra solução. Mandei fazer uma limpeza nas telas e colocar novas molduras. Os quadros ficaram embrulhados em um plástico preto no depósito.

Uma observação: todas as pinturas, caras ou não, merecem uma limpeza e uma nova moldura, assim como serem bem conservadas, até pelo que justifica o final desta história, que deveria ser mais curta do que está sendo...


Novos donos para as velhas obras

Uma semana depois, me liga outro amigo, recém-promovido à gerência de uma grande firma, que à época residia no subúrbio (periferia para os paulistas...). Pediu-me pinturas que custassem muito pouco, pois pretendia apenas colorir as paredes. Enviei-lhe os tais quadros - eram cinco - para que a mulher e as filhas pudessem escolher. Ficaram com todos, literalmente impactados diante da beleza das fantásticas obras de arte que lhes havia encaminhado.

Todos faziam juras de amor eterno aos quadros. Quando lhes disse que, futuramente, se quisessem, poderíamos trocá-los por outros, ficaram indignados e disseram, em uníssono, que aqueles quadros jamais sairiam da casa deles, principalmente um casario de Ouro Preto-MG, com uma assinatura ilegível.


O amor é eterno enquanto dura

Três anos depois, o meu amigo gerente, profissional muito capaz na sua área, comprou um apartamento no Recreio dos Bandeirantes, um dos bairros mais promissores do Rio de Janeiro, já que é uma extensão natural da Barra da Tijuca, que todos conhecem. Pediu-me outros quadros, que estivessem em patamar mais elevado de preços.

Aí perguntei: e os outros cinco quadros? E o casario de Ouro Preto? Ao que responderam: é João Carlos, você tinha razão...

Fim da história: consignei, para eles, os tais quadros em um leilão de arte apropriado e ainda cheguei a ver, no final do leilão, um casal saindo literalmente extasiado com o casario de Ouro Preto na mão.

Mercado de arte é isso...


Arte também é investimento

Agora, em outro patamar, vou lhes contar uma nova história. Transcreverei um artigo que fiz em 10 de Março de 1997, que também consta do Manual do Mercado de Arte. O artigo tem como título: "Orientação profissional personalizada para decisões seguras com obras de arte". Vamos a ele.

Desta vez, me ocorreu enfocar o paralelismo entre dois fatos acontecidos no mercado de arte. Um, presenciamos em São Paulo e o outro se passou em Nova York.


O valor de um Frans Post

O primeiro fato aconteceu em julho de 1995, no leilão da Bolsa de Arte de Rio do Janeiro, realizado na Capital de São Paulo, ocasião em que um grande colecionador, presente ao pregão, com a tranquilidade própria daqueles que sabem o que fazem, arrematou um óleo de Frans Post, intitulado "Convento de São Francisco em Igaraçu", pelo valor equivalente a US$. 865.384,61.

Muitas pessoas alheias ao mercado de arte comentavam que seria impossível ao arrematante reaver aquela quantia, quando pretendesse, no futuro, vender a pintura em questão.

O segundo fato aconteceu um ano e meio depois, em fevereiro de 1997 no leilão da Sotheby’s de Nova York, quando outro óleo de Frans Post, intitulado "A Cidade e o Castelo de Frederik na Paraíba", foi arrematado por US$ 4.512.500,00.

É óbvio que cada obra de arte tem uma história, mas os números são bem eloquentes.


Quanto o técnico é o melhor amigo

Nas aquisições de obras de arte, em qualquer patamar de preço, mesmo que só se objetive a decoração da casa, quando bem orientadas, haverá sempre grandes possibilidades de lucro, tempos depois, na hora de uma nova decoração. Temos artistas excelentes por todo país, muitos com brilhante futuro, com preços ainda bem acessíveis.

Sugiro àqueles que tenham pouca vivência no mercado de arte, antes de concretizarem uma transação de compra, venda ou permuta de obras de arte, que procurem a orientação de um profissional do mercado da sua absoluta confiança.

Mercado de arte também é isso.

 

Telefones e outras informações - clique aqui

VOLTAR

Outros Artigos:

Ninguém é profeta em sua terra

Releitura, plágio e falsificação

Metais Aveludados

Sem jogo de cintura...

Por que os honorários periciais são considerados elevados?

A filosofia das minhas fases periciais

Como consolidar sua carreira no mercado de arte.

Como se pode perceber que uma pintura é falsa?

Em síntese, o que a legislação autoral visa proteger.

Por que as obras de arte estrangeiras antigas são tidas como atribuídas?

O tempo de maturação de um laudo pericial

Arte contemporânea: afinal, o que é isso?

O mercado de arte em tempos de conflito

Primeiros passos no mercado de arte

Aos artistas plásticos iniciantes

Curso para Marchands

Onde posso registrar uma obra artística de minha autoria?

E o dia do Artista Plástico?

O que fazer para evitar falsificações

Investir em arte - quanto, quando e como

O que é uma telenovela?

O mural ‘Guerra e Paz’ está de volta.

Por que sou contra o 'Direito de Sequência'

Perícia judicial sobre obras de arte

Como vai o Mercado de Arte?

O que Ú prešo de mercado ?

Como revitalizar o mercado?

A liquidez das obras de arte

O mercado de arte realmente existe no Brasil?

O perfeito relacionamento com o mercado

Reflexões sobre as tabelas dos artistas

Curso para formação de marchands

Consolidando o mercado de arte

O que posso fazer pelo mercado de arte?

E o mercado de arte ga˙cho?

Marchand - uma definição simples e objetiva

Convivendo com os leilões de arte

Se todos gostassem do amarelo

Um leilão de arte em Fortaleza

Pode-se realmente investir no mercado de arte?

Preconceito nas artes plásticas

Que obras de arte devo comprar? De que artistas plásticos?

Um programa Legal

No Ar, a Rádio Cotonete

Pré-requisitos para a Profissão de Marchand

O que é consultoria de mercado de arte?

A mediação e arbitragem no mercado de arte

Em quem devo investir?