Acompanhando o Mercado

Quais os pré-requisitos para a profissão de marchand?

João Carlos Lopes dos Santos



Esta é a oportunidade que tenho de responder a todos sobre uma questão que sempre me é colocada por pessoas que pretendem se iniciar na profissão de marchand.

Para a prática da atividade, não há exigências legais específicas ou de formação profissional. Para se tornar ou se arvorar em marchand, basta abrir uma galeria de arte ou - se conseguir - sair comprando, consignandoe vendendo obras de arte.

Ser marchand evidentementenão só é isso. Há outras atribuições além da de vender obras de arte. Ele deverá também ser um agente, um promotor do mercado na acepção mais ampla dessas palavras e, principalmente, precisa estar preparado para o exercício da profissão. Embora não sejam exigências formais, sem alguns dos pré-requisitos que mais abaixo discrimino, acho muito improvável que a empreitada venha a ser coroada de êxito.


A formação profissional

Trata-se aqui de uma profissãoatípica, uma atividade mista, que envolve comércio e prestação de serviço e que, ainda hoje, não tem qualquer tipo de formação acadêmica específica. Com efeito, não se tem notícia sobre cursos intensivos ou algo parecido para capacitar profissionalmente os que se interessam pela atividade.

É verdade que existem cursos de história da arte - dirigidos aos interessados em artes plásticas de uma forma geral. Tais cursos ajudam muito, mas não são específicos para formação de marchands. Também não há qualquer tipo de regulamentação profissional, sindicato, associação ou entidades afins em todo o país, que congreguem ou fiscalizem os marchands.


A motivação para o ramo

De onde surgem esses profissionais? Há no mercado marchands oriundos de vários outros segmentos e com formações as mais variadas: engenheiros, arquitetos, médicos, advogados, professores e militares reformados, entre outros tantos. Uma parte deles divide o tempo entre as duas atividades e a outra abandonou de vez a ocupação anterior, por força de aposentadoria ou por simples opção.

Não há uma lógica própria na motivação para esse trabalho. Há quem venha do ramo de ciências humanas – o que se entende compatível – e há outras oriundas de ciências exatas, o que é mais difícil de explicar. O professor de Química Nagib Francisco, hoje aposentado, me disse que chegou ao mercado de arte através dos seus estudos sobre a composição das tintas. Uma coisa é certa: mercado de arte é como um vício, uma vez em contato com ele - ou inoculado o vírus -, fica muito difícil largá-lo.

São fatores básicos para o sucesso: sensibilidade, vivência no mercado de arte, conhecimento sobre artes visuais, bom relacionamento no mercado, bom relacionamento social, relativa capacidade financeira, conhecimentos de marketing e uma cultura eclética. E mais, é importante ter em conta que a profissão não é burocrática, nem tranquila ou, tampouco, rentável como podem pensar alguns.


Passo a passo de um longo caminho

Se você pretende se iniciar na profissão de marchand, procure aprender de maneira certa, começando pelo mais fácil e evoluindo gradativamente para o que é mais difícil. Não queime nenhuma etapa, posto que, fatalmente, ela lhe fará falta mais adiante. Antes de tudo, estude os fundamentos da profissão e avalie se você se enquadra na maioria dos pré-requisitos apresentados acima.

Caso o resultado da avaliação seja positivo, vá à luta. Tenho testemunhado que a grande maioria dos que tentam ser marchand não dão tempo ao aprendizado da profissão - só disponível na prática diuturna e prolongada - e acabam se dando mal. Por exemplo, tentam negociar, logo de início e, portanto, sem a menor experiência, obras raras e de alto valor, tais como as de Tarsila do Amaral, Portinari, Di Cavalcanti, Lasar Segall, Ismael Neri ou obras do Século XIX para trás. E aí que, o que seria uma profissão, vira uma loteria, ou melhor, uma roleta russa.


Junte-se aos iguais

Importante: quem está começando não tem a menor possibilidade de atuar no sobredito patamar de mercado, pois lhe falta conhecimento de causa. Nunca é demais repetir: o artista novo deve fazer parceria com o marchandnovo, que por sua vez terá por clientes novos colecionadores. Nesse segmento, todos estão se iniciando na atividade e, assim, todos estarão no mesmo patamar. É fácil entender. Também no mercado de arte, insisto, as coisas acontecem como em qualquer outra carreira: é muito difícil fazer incursões em patamares superiores, pulando degraus ou queimando etapas. Cada experiência adquirida se junta às experiências anteriores e às seguintes, numa sequência lógica, numa amarração perfeita. Portanto, trabalhe corretamente e dê tempo ao tempo. Quando você menos esperar, vai se surpreender com o patamar que estará ocupando.

E, como acontece na vida, uma geração vai tomando o lugar da outra. O importante é se preparar sempre para assumir as responsabilidades dos patamares superiores.


O valor inestimável da reputação

Obviamente que, em tudo que foi aconselhado, estão implícitos os valores pessoais básicos que todo profissional deve ter em qualquer ramo: honestidade, transparência, ética, caráter... Esses valores são mais importantes para a atividade do que das demais pelo fato de se tratar de uma profissão atípica, não regulamentada, sem um órgão direto que a fiscalize. Sem um controle externo, poderá haver a tentação de seguir caminhos tortuosos e o profissional precisa ter dentro de si uma estrutura sólida para não destruir a sua reputação, prejudicar o mercado e queimar de vez todas as chances de sucesso. Uma boa reputação tem um valor inestimável, vale bem mais do que uma boa conta bancária. É o que fala mais alto na hora de se fechar os negócios.

Agora, o meu depoimento pessoal sobre a atividade: se não estivesse tirando o meu sustento trabalhando no mercado de arte, decerto pagaria para estar em contato com ele.

 

Telefones e outras informações - clique aqui

VOLTAR

Outros Artigos:

Ninguém é profeta em sua terra

Releitura, plágio e falsificação

Metais Aveludados

Sem jogo de cintura...

Por que os honorários periciais são considerados elevados?

A filosofia das minhas fases periciais

Como consolidar sua carreira no mercado de arte.

Como se pode perceber que uma pintura é falsa?

Em síntese, o que a legislação autoral visa proteger.

Por que as obras de arte estrangeiras antigas são tidas como atribuídas?

O tempo de maturação de um laudo pericial

Arte contemporânea: afinal, o que é isso?

O mercado de arte em tempos de conflito

Primeiros passos no mercado de arte

Aos artistas plásticos iniciantes

Curso para Marchands

Onde posso registrar uma obra artística de minha autoria?

E o dia do Artista Plástico?

O que fazer para evitar falsificações

Investir em arte - quanto, quando e como

O que é uma telenovela?

O mural ‘Guerra e Paz’ está de volta.

Por que sou contra o 'Direito de Sequência'

Perícia judicial sobre obras de arte

Como vai o Mercado de Arte?

O que Ú prešo de mercado ?

Como revitalizar o mercado?

A liquidez das obras de arte

O mercado de arte realmente existe no Brasil?

O perfeito relacionamento com o mercado

Reflexões sobre as tabelas dos artistas

Curso para formação de marchands

Consolidando o mercado de arte

O que posso fazer pelo mercado de arte?

E o mercado de arte ga˙cho?

Marchand - uma definição simples e objetiva

Convivendo com os leilões de arte

Se todos gostassem do amarelo

Um leilão de arte em Fortaleza

Pode-se realmente investir no mercado de arte?

Preconceito nas artes plásticas

Que obras de arte devo comprar? De que artistas plásticos?

Um programa Legal

No Ar, a Rádio Cotonete

Pré-requisitos para a Profissão de Marchand

O que é consultoria de mercado de arte?

A mediação e arbitragem no mercado de arte

Em quem devo investir?