Acompanhando o Mercado

O mural ‘Guerra e Paz’ está de volta.

                                           João Carlos Lopes dos Santos

‘Guerra e Paz’, composto de dois painéis, obra de 14 metros de altura e 10 metros de largura, da lavra do mestre Candido Portinari, cuja execução terminou em 1956, temporariamente, foi repatriado. O público teve o privilégio de admirá-lo, por algum tempo e gratuitamente, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, de 22 de dezembro de 2010 a 6 de janeiro de 2011. Depois de 54 anos (1956) da sua apresentação ao público brasileiro, o mural ficou exposto no mesmo local. Em seguida, será encaminhado ao Palácio Gustavo Capanema, no Rio de Janeiro, para restauro. Após, o Projeto Portinari intenciona fazer uma mostra também em São Paulo, possivelmente em 2011. De lá, se planeja uma série de exposições pelo país e no exterior. Em 2013, o mural retornará à ONU, em Nova Iorque, nomeadamente na entrada da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas, onde esteve desde 1957, para a alegria de quem assina esta matéria.

O porquê da alegria

É que, em 1998, quando escrevi o capítulo 20 do Manual do Mercado de Arte – hoje com edição definitivamente esgotada –, abordei o tombamento das obras de arte e falei a respeito da importância de ‘Guerra e Paz’ para o Brasil no cenário mundial.

Sem dúvida, a memória de uma nação é o fator fundamental na formação de sua identidade e deve ser preservada. Esta é a regra geral. No Capítulo 19 do MMA, já externei o que penso sobre o relacionamento do Estado com a Cultura do país. Se lá eu eximi o Estado de maiores sacrifícios com a Cultura, por coerência também o dispenso de maiores preocupações para com ela. Continuo a fazer, nesse campo, a apologia da iniciativa privada. Obviamente, não se pode deixar a proteção do patrimônio histórico e artístico nacional à deriva. Tombamento é uma salvaguarda, uma medida protetora. Há que se terem leis de proteção, mas que sejam, no mínimo, inteligentes.

Portanto, sou favorável aos tombamentos, quando necessários e sensatos. No tocante às artes plásticas, também o sou. No entanto, gostaria de externar alguns pontos de vista quanto ao impedimento da saída de obras de arte para o exterior.


Os Chateaubriand

O colecionador Gilberto Chateaubriand (1925), que tem luz e méritos próprios, filho de Assis Chateaubriand (1892-1968) – criador do MASP e de seu fantástico acervo –, relatou uma discussão acontecida em 1953, envolvendo seu pai e o marechal João Batista Mascarenhas de Morais (1883-1968), à época chefe do Estado-Maior das Forças Armadas e anteriormente comandante da Força Expedicionária Brasileira na Segunda Guerra Mundial. Isso foi relatado em entrevista à revista Veja, de 4 de fevereiro de 1998: "O Mascarenhas queria trasladar os ossos dos pracinhas mortos durante a Segunda Guerra da Itália para o Brasil. Chateaubriand dizia que era uma asneira, que era preciso manter a presença do Brasil no mundo.” Na mesma entrevista, pergunta-lhe a jornalista Ângela Pimenta: “Em função da falta de dinheiro, que obras de arte o senhor se arrepende de não ter comprado?” “O Abaporu, da Tarsila do Amaral”, respondeu Gilberto, “comprada pelo argentino Eduardo Costantini. Acho que não vale a pena ficar chorando sobre o leite derramado. A presença desse quadro numa coleção privada estrangeira faz lembrar que existe cultura brasileira de qualidade. É um pouco como os ossos dos pracinhas brasileiros do cemitério italiano de Pistoia. Está lá (referindo-se ao Abaporu) a presença brasileira".

Concordo tanto com o pai quanto com o filho. Seus argumentos vêm ao encontro do que penso e essa é a essência da tese que sempre defendi. A Europa tem uma história artística de mais de 2.000 anos e o Brasil nem sequer chega ter 200 anos, mesmo assim por herança europeia. Verdade seja dita, as artes plásticas brasileiras têm, ainda, reduzida expressão no exterior. Os países europeus já têm seus acervos prontos, consolidados, reconhecidos e visitados por todo mundo, e nada que eles reputem importantes e de muito valor cruza suas fronteiras.


Adeus ‘Guerra e Paz’

Agora, pelo contrário – à exceção de pinturas brasileiras até o segundo império – o que temos a fazer é incentivar as vendas para fora do país. Já imaginou se em museus importantes do mundo pudessem estar artistas brasileiros? O que lhe causaria maior emoção: ter no museu de sua cidade os ícones da arte brasileira, ou sabê-los em Paris, no Louvre? Ficaria descontente se soubesse que em todas as coleções particulares importantes do mundo há obras de artistas brasileiros? O que acha da ideia de "repatriar" o mural ‘Guerra e Paz’, que desde 1957 esteve na sede da ONU, em Nova Iorque, para colocá-lo na entrada do Congresso Nacional, em Brasília? A arte de um país só é importante quando o mundo a aprecia e, logicamente, só se pode gostar daquilo que se conhece.

Assim, vamos receber o mural visitante – a obra-prima do brasileiríssimo Portinari – e lhe desejar um bom retorno à Nova Iorque, em 2013, para que cumpra seu brilhante papel, que é mostrar a presença do Brasil e de sua arte para o mundo.

Telefones e outras informações - clique aqui

VOLTAR

Outros Artigos:

Ninguém é profeta em sua terra

Releitura, plágio e falsificação

Metais Aveludados

Sem jogo de cintura...

Por que os honorários periciais são considerados elevados?

A filosofia das minhas fases periciais

Como consolidar sua carreira no mercado de arte.

Como se pode perceber que uma pintura é falsa?

Em síntese, o que a legislação autoral visa proteger.

Por que as obras de arte estrangeiras antigas são tidas como atribuídas?

O tempo de maturação de um laudo pericial

Arte contemporânea: afinal, o que é isso?

O mercado de arte em tempos de conflito

Primeiros passos no mercado de arte

Aos artistas plásticos iniciantes

Curso para Marchands

Onde posso registrar uma obra artística de minha autoria?

E o dia do Artista Plástico?

O que fazer para evitar falsificações

Investir em arte - quanto, quando e como

O que é uma telenovela?

O mural ‘Guerra e Paz’ está de volta.

Por que sou contra o 'Direito de Sequência'

Perícia judicial sobre obras de arte

Como vai o Mercado de Arte?

O que Ú prešo de mercado ?

Como revitalizar o mercado?

A liquidez das obras de arte

O mercado de arte realmente existe no Brasil?

O perfeito relacionamento com o mercado

Reflexões sobre as tabelas dos artistas

Curso para formação de marchands

Consolidando o mercado de arte

O que posso fazer pelo mercado de arte?

E o mercado de arte ga˙cho?

Marchand - uma definição simples e objetiva

Convivendo com os leilões de arte

Se todos gostassem do amarelo

Um leilão de arte em Fortaleza

Pode-se realmente investir no mercado de arte?

Preconceito nas artes plásticas

Que obras de arte devo comprar? De que artistas plásticos?

Um programa Legal

No Ar, a Rádio Cotonete

Pré-requisitos para a Profissão de Marchand

O que é consultoria de mercado de arte?

A mediação e arbitragem no mercado de arte

Em quem devo investir?